segunda-feira, 7 de maio de 2012



sombreio-me


espero o tempo
em que
serei de novo
escureço-me
de tão pouco


sombreio-me
esqueço-me de 
desapatecem-me
as palavras
o silêncio
é


estou em intervalo
de mim


http://ahcravo.wordpress.com/2012/05/07/sombreio-me/ 




(antónio estrafalhote, pescador da praia de mira)







Um comentário:

  1. Parece que às vezes, as palavras de nada valem...

    Carinho,
    Jorge

    ResponderExcluir