domingo, 13 de janeiro de 2013

reciferido


oh! minha bela, inefável
e inescrupulosa veneza.
dos mercados e mascates,
hoje perseguidos porque
pobres enfeiam a cidade.
e, a especulação imobiliária
projeta-se sobre a ambição
dos farisaicos governantes.
teu podre hálito, reflete-se
nos fétidos discursos dos
infectos poderes, e na
sua gênese reacionária.
cidade invadida, cidadãos excluídos
de suas benesses e riquezas.
das bacanais nos carnavais
regadas no erário, bancada
pelos otários e, dadivadas
aos condes joões, aos
barões sebosos e aos
séquitos famintos.
salve, Recife! cidade madrasta
prostituta dos vampiros
de todas as dicções e origens.
meu Capibaribe, Capiberibe!
descapibaribado pela
indiferença dos gestores
e do perjúrio oficial...

-VALMIR JORDÃO-

Um comentário:

  1. Sempre encantador da arte mais encantada. Abraços, poeta com um puta P.

    ResponderExcluir