quarta-feira, 21 de maio de 2014

Volátil


Tudo efêmero, volátil!
Todo viver, toda razão.
Tudo inconstante, um instante.
Os valores falsos da sociedade.
As mentiras vomitadas nas mentes.
Crianças formadas sem opiniões, apenas formadas.
Em formas estragadas.
Demagogos pensamentos, tormentos da humanidade.
Entre sorrisos e juras, só resta à mentira.
Que jorra dos corações consternados.
Viver com fé, mas a fé sem amor é terra seca.
Tudo vale para o bem estar próprio.
Propriedade.
Significado da discórdia, egoísmo.
Todos querem tudo.
Mas não dividem nada, ou apenas o que resta.
Falsos, mostram o que a mão esquerda faz!
Ajudar por amor é ação solitária.
Sem plateia.
No fim, só restará discórdia,
e a culpa é nossa.
A vida é volátil.
Mas nossos atos marcam a eternidade da alma.


 Micael

2 comentários:

  1. Bom, reflexivo, teu poema. Um abraço. Tenhas um bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Dilmar! Fico feliz que tenha gostado! Abraço!

    ResponderExcluir